Informação

Octobox da Mako com Flash Nikon SB 910


Trabalhar com flash fora da câmera com acessórios de estúdio não é novidade, nos anos 80, os fotógrafos de skate já inovavam com Vivitar 285 e haze embutidos, mas com o passar dos anos, os flashs compactos foram sendo colocados de lado e utilizados apenas em cima das câmeras para pequenas reportagens ou eventos sociais. Para fotografar em externas utilizavam muito tochas de estúdios com geradores de energia externos, mas esta parafernalhia nos tempos atuais ficou complexa e fora de moda. Os dedicados por sua vez começaram a tomar o espaço que nunca deveria ter perdido e fabricantes começaram a desenvolver acessórios para utilização de flashs dedicados fora da máquina e com VÁRIOS acessórios de estúdio.

Nesta matéria vamos falar do:

 

Octobox da MAKO

Transmissor SU 800 Nikon

Rádio Transmissor digi 8 TTL da Rádio Flash

 

Este ensaio foi feito na cidade mineira de São João del Rei, para mostrar a versatilidade do Octobox da Mako em externas diurnas e as noturnas em Santa Catarina.

 

Nesta primeira foto colocamos a modelo na sombra do Octobox da Mako por estar com sol a favor, assim fotometramos o fundo iluminado buscando o meio tom, que neste caso foi a grama e jogamos o flash na modelo sombreada.

IMG_9273_1

 

foto: Eduardo Braga

A velocidade neste caso foi em 1/250 o limite de sincronismo com a Nikon D7000 e o diafragma foi f 8, ideal para o flash SB910 em modo manual 1/1 de potência estourar dentro do Octobox da Mako com suas duas camadas de difusão o ISO 100 com rádio transmissor Digi 8 TTL.

LNP_1127

 

foto: Leandro Nunes

LNP_1134_1

Foto: Leandro Nunes

LNP_1135

Foto: Leandro Nunes

LNP_1141

Foto: Leandro Nunes

LNP_1142

 

Foto: Leandro Nunes

StudioBuddyDiagram0

Neste outro set, usamos o softbox com apenas a difusão interna para ajudar a subexpor a luz ambiente contra.

A velocidade e ISO se manteve em 1/250 e 100 porém fechamos em dois pontos f 16, e flash em modo manual 1/1 com zoom em 50mm e deixamos entrar um pouco de flair na cena.

IMG_9319

foto: Eduardo Braga

LNP_1167

Foto: Leandro Nunes

LNP_1168

Foto: Leandro Nunes

LNP_1170

Foto: Leandro Nunes

StudioBuddyDiagram-1

 

Cuidado quando estiver fotografando no limite do sincronismo para não deixar a velocidade subir sem querer, se isso acontecer você terá uma vinhetagem na sua fotografia.

LNP_1187

 

foto: Leandro Nunes – 1/400 f16 ISO 100

Neste último set diurno, usamos o Octobox da Mako sem difusão nenhuma, apenas o flash direto com o zoom em 18mm, para luz espalhar dentro do Octobox , a medição continua em 1/250 e f16 e flash 1/1 com o rádio transmissor Digi 8 TTL.

IMG_9374 IMG_9380_1

 

Fotos: Eduardo Braga

LNP_1200

Foto: Leandro Nunes

LNP_1204

Foto: Leandro Nunes

LNP_1207_1

 

Foto: Leandro Nunes

StudioBuddyDiagram-2

Você deve estar se perguntando, se no set anterior era f 16 com difusão, como mantém o mesmo f 16 sem a difusão?

 

É porque colocamos o ângulo do flash menor em 18mm, com isso alteramos a potência da luz sem mexer no EV de exposição mantendo ele em 1/1, com o zoom menor podemos dizer que o flash fica mais fraco, alcançando menor espaço físico entre a cabeça do flash e o objeto a ser iluminado.

 

Nestas fotos noturnas, o fotógrafo em geral tem muita dificuldade em trazer a luz ambiente da rua que é muito baixa.

O erro é trabalhar com velocidades mais altas com medo de tremer como esta foto em 1/60 com f5.6 e ISO 400.

LNP_9673

 

Foto: Leandro Nunes

Veja com a modelo aparece, mas perdemos a paisagem noturna.

O segredo é você colocar a modelo na sombra, fotometrar a luz refletida ao fundo e baixar a velocidade até 1/8 no máximo, se o fotômetro não zerar no fundo altere o ISO para mais sensibilidade 800,1600, 3200 até zerar a régua do fotômetro.

LNP_9675

 

Foto: Leandro Nunes

Não se preocupe em achar que sua imagem vai tremer, se a modelo estiver na sombra o flash congela o possível movimento dela e sua fotometria garante a luz de fundo.

_MG_2093

 

Foto: Marta Rossato

 

LNP_9716

Foto: Leandro Nunes

LNP_9728

 

Foto: Leandro Nunes

StudioBuddyDiagram-3

Nestes sets usamos o flash em modo master wireless pelo transmissor da Nikon SU800 em modo TTL, colocando o flash em segunda cortina, o flash usado foi um SB910 em modo remoto.

Todas as fotos com o Octobox da Mako completo com as duas difusões, velocidade em 1/8 – f 5.6 ISO 800 – flash segunda cortina.

Agradecimento em Minas Gerais, Eduardo Braga, modelo Ruani Rodrigues e maquiador Eduardo Nepomuceno

Agradecimento em Santa Catarina, Marta Rossato( Aurea Fotografia), modelo Aline Giroto e maquidor Luciano Bernardes

Equipamentos utilizados:

www.mako.com.br

www.nikon.com.br

www.proflash.com.br

82946 92012 97413 108421 410490 832699 nikon_d7100_dslr_camera_body_927106 Octosoft_M radio Strobist_Holder_EX Strobist_Holder_M Tripe_Master_M

 

Objetivas profissionais x standart


Engraçado ver nas redes sociais, fotógrafos postando caixas de câmeras novas como 6D, 5D markIII, Nikon DF, D4 e por aí vai… E vejo pouco fotógrafos postando uma caixa da 50mm f1.2,  fishe eye f2.8, uma tele fixa f2.8.

Acho maravilhoso mostrar suas conquistas mas, a maioria ainda tem o conceito errado na fotografia, onde  o corpo faz a diferença.

Bom vou falar no meu ramo que é evento social atualmente.

Vou usar uma frase de um grande fotógrafo mineiro de Belo Horizonte, Marcelo Sabino:

“Este negócio de comprar câmera cara só por que ela faz 150.000- 200.000 ou 300.000 clicks já era. Se tem a mesma tecnologia e vc só vai usar 1 ano, prá que gastar o dobro, o triplo. A era Hasselblad e Rollei já passou, nada é + para vida toda. O negócio é estar sempre em dia com a tecnologia atual da marca.”

Ou seja o corpo você vai trocar a cada ano ou a cada dois anos mas as objetivas… elas são da era Hasselblad e Rollei e vão ficar para sempre.

Penso que você deve investir primeiro em ótica para depois pensar em comprar um corpo de última geração.

Veja um simples exemplo de uma imagem com uma objetiva profissional fixa em f1.4 e outra foto em f5.6

400

Nesta foto o ISO foi 400 e veja como não temos ruído na imagem.

6400

Nesta foto o ISO foi 6400 e veja como o ruído aparece nas partes mais escuras.

DSC_1037

Veja a profundidade de campo no círculo de confusão com f 5.6, o rosto está focado e as lâmpadas borradas.

DSC_1034

Nesta foto feita com f1.4 o fundo fica surreal, o círculo de confusão bem mais abrangente e veja como o foco é crítico, o primeiro olho a esquerda está fora de foco e o olho a direita está nítido, objetiva ideal para fotos mais conceituais.

Lembre-se com um investimento de U$ 100 você já consegue ter uma objetiva fixa de qualidade, uma 50mm f1.8 e lembre-se,  quanto menos elementos tiver em sua objetiva,  mais qualidade de captura você vai ter, porém fique bem atento a nitidez e profundidade de campo.

CONSTRUINDO SEU OLHAR


O objetivo da pauta é:

HARMONIA DA MÚSICA POPULAR COM MAESTRO IAN GUEST

Analise esta imagem e veja as possibilidades reais de enquadramento, são várias não é mesmo?

LNP_9171

Objetivo da pauta é cobrir uma oficina onde o maestro fala da harmonia na composição musical. Então o temos lecionando, tocando, na foto acima…

Seus trabalhos educacionais…

LNP_9159

 A turma prestando atenção…

LNP_9149

 

Ele escrevendo novas cifras para melodia…

 LNP_9174

LNP_9157

 

Aluno anotando,

LNP_9187

Ou seja, pauta completa, sem a necessidade de um boneco, afinal não é para agência de imagens.

Alterar uma música já composta e refazer seu arranjo é uma arte conceitual que não é para qualquer um, então a pauta merece uma imagem também conceitual.

Começamos por esta, quis dar ênfase na partitura dele,

LNP_9163

 

Não gostei e vi  no reflexo no piano sua silhueta.

LNP_9175

Troquei de objetiva e trabalhei a pauta com a silhueta, mas ainda não me agradou.

LNP_9181

Então, mudei de posição e tive a sorte dele gesticular e movimentar seu corpo, aí sim, a imagem perfeita!

LNP_9176

 

Sua silhueta levemente desfocada, e pra quem o conhece, o reconheceria muito bem, devido as sobrancelhas realçadas por seus pelos, a partitura focada e a brilhante luz coroando seu intelecto.

Uma vez meu mestre no fotojornalismo editorial Marcelo Alves me disse:

– Não preste atenção somente no objetivo, mas sim nos objetos a sua volta.

Tenha uma visão periférica na sua imagem, o que você tem antes e depois do objetivo.

Sempre podemos sair da nossa zona de conforto e sempre podemos fazer melhor nossa imagem, basta enxergar o objeto além do objetivo.

Virei a casaca!


Calma, calma, calma, não é isso que vocês estão pensando rssssssssssssssssssssss!

Comprei uma CANON…!

É verdade, uma 60D, com esta história do curso de fotocinegrafia, preciso conhecer o concorrente direitinho.

Mas o que está no post não é filme e sim fotos que fiz no Pelourinho em Salvador testando o equipamento, e descobri no menu,  ela tem alguns filtros interessantes de pós produção.

Os lightroonzeiros vão adorar, porque se lembra bastante com os presets do programa, mais uma vez nada pessoal.

Vamos lá, coloquei a captura original e com o filtro de pós produção, e antes que me perguntem, ficou bem legal e eu usaria normalmente para deixar minha imagem mais bonita.

Custo x Benefício


Comprei recentemente esta objetiva para testar.

Lendo as opniões sobre ela, não gastaria nenhum centavo se estivesse procurando alta qualidade.

Mas sempre quis ter uma objetiva de espelho e esperimentar por conta própria, afinal porque uma objetiva de espelho seria tão ruim se a maioria das boas lunetas são com esta tecnologia.

No desenho acima você pode entender como uma imagem é projetada por dentro dela.

Fiquei muito surpreso com a qualidade e inclusive já fotografei e filmei com ela.

Veja que interessante é o desenho formado pelo circulo de confusão na imagem desfocada

Fiquei muito feliz com os R$ 800,00 pagos por ela, e quem quizer experimentar vai valer a pena o baixo investimento pela qualidade MUITO ACEITÁVEL que a objetiva oferece.

Leandro Nunes com palestra na Photoimagem Brasil


20 palestras vão agitar o estande da iPhoto

O estande da iPhoto promete ser muito agitado durante PhotoImageBrazil 2010. Estão programadas 20 palestras sobre fotografia de estúdio, casamento e edição de imagens. E o melhor de tudo, sem pagar nada. Todas as palestras serão abertas aos visitantes que podem ter acesso aos grandes fotógrafos de forma bem próxima, tirando dúvidas e vendo ao vivo eles em ação.

Pré-lançamento de Altair Hoppe e Luiz Garrido

Além das palestras, a iPhoto também estará fazendo o lançamento e o pré-lançamento de dois livros e dois DVDs. Entre eles, o novo livro de Altair Hoppe, o Volume 4, da série Adobe Photoshop para Fotógrafos, Designers e Operadores Digitais, completamente baseado no Photoshop CS5. Mas não para por aí. Também haverá o lançamento do livro Retratos, do mestre Luiz Garrido – um dos mais importantes fotógrafos brasileiros, que conta como fez para produzir os retratos de figuras como Tom Jobim, Lula, Pedro Bial, Faustão e mais 20 personalidades.

Lançamento dos DVDs da Canon 5D Mark II e Lightroom 3

Dois DVDs inéditos e incríveis serão lançados no estande da iPhoto. O primeiro, de Toni Martin, é sobre filmar e produzir vídeos com a Canon 5D Mark II – a câmera que está revolucionando a captação de vídeos e filmes em alta qualidade. O segundo é o DVD Lightroom 3 para fotógrafos de casamento, de Fernanda Marques e Reinaldo Martins, que mostra como organizar, tratar e apresentar as imagens de um casamento na novíssima versão do Lightroom.

Então, anote na sua agenda:

PhotoImageBrazil – 03, 04 e 05 de agosto das 14 às 21 horas

iPhoto Editora – Rua D, stand 5 (em frente ao estande da FujiFilm)

Para mais informações sobre a participação da iPhoto Editora na PhotoImageBrazil 2010 acompanhe o nosso blog, Twitter ou ligue para 0800 601 5022 para detalhes sobre a programação e como adquirir os produtos.

Programação de palestras

03 de agosto

14h30. Leandro Nunes – Mitos e Verdades do RAW X JPEG

15h30. Reinaldo Martins e Fernanda Marques . Lightroom 3 para casamento

16h30. Altair Hoppe – Photoshop CS5

17h15. Bate papo com Luiz Garrido – O mestre dos retratos

18h. Danilo Russo – Técnicas de iluminação em estúdio

19h. Toni Martin – Cinefotografia – Gravando vídeos com a Canon 5D

20h. Reinaldo Martins e Fernanda Marques . Diagramação de álbuns

04 de agosto

14h30. Toni Martin – Cinefotografia – Gravando vídeos com a Canon 5D

15h30. Adriano Gonçalves – A moda na fotografia de casamentos

16h30. Altair Hoppe – Photoshop CS5

17h15. Bate papo com Luiz Garrido – O mestre dos retratos

18h. Reinaldo Martins e Fernanda Marques . Fotografia de Casamento

19h. Leandro Nunes – Flashes Canon e Nikon

20h. Altair Hoppe – Photoshop CS5

05 de agosto

14h30. Danilo Russo – Técnicas de iluminação em estúdio

15h30. Diego Rousseaux – Fotografia de produtos

16h30. Tyto Neves – Fotografia de books

17h15. Reinaldo Martins e Fernanda Marques . Diagramação de álbuns

18h15. Altair Hoppe – Photoshop CS5

19 h. Leandro Nunes – Mitos e Verdades do RAW X JPEG

O que é um Firmware?


Firmware

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Em eletrônica e computação, Firmware é o conjunto de instruções operacionais programadas diretamente no hardware de um equipamento eletrônico. É armazenado permanentemente num circuito integrado (chip) de memória de hardware, como uma ROM, PROM, EPROM ou ainda EEPROM e memória flash, no momento da fabricação do componente. Muitos aparelhos simples possuem firmware, entre eles: controle-remoto, calculadora de mão, algumas partes do computador, como disco rígido, teclado, cartão de memória, muitos instrumentos científicos e robôs. Outros aparelhos mais complexos como celulares, câmeras digitais, sintetizadores, entre outros, também possuem um firmware para a execução de suas tarefas.

Não há fronteiras rígidas entre firmware e software, pois ambos são termos descritivos bastante livres. Contudo, o termo firmware foi originalmente inventado para contrastar com software de alto nível que poderia ser alterado sem a troca de um componente de hardware, e o firmware está normalmente envolvido com operações de baixo nível muito básicas sem as quais um dispositivo seria completamente não-funcional.

Firmwares estão presentes em computadores na forma de BIOS, leitores e/ou gravadores de CDs/DVDs. Também estão presentes em celulares, iPods, câmeras digitais, PlayStation Portable, impressoras e virtualmente quaisquer equipamentos eletrônicos da atualidade, incluindo eletrodomésticos como fornos de microondas ou lavadoras.

Portanto vamos para o link da empresa que mais atualiza seus softwares.

http://web.canon.jp/imaging/eosd/firm-e/eos7d/firmware.html

Fique atento as atualizações para seu equipamento, hoje com a era digital nossas máquinas fotográficas não passam de um mero sistema operacional, alguns com muitos bugs outros com menos